|

Esculturas mais Famosas no Museu do Louvre

O Museu do Louvre abriga uma extensa e diversificada coleção de esculturas, apresentando obras-primas artísticas de vários períodos e culturas.

A coleção de esculturas do Louvre abrange desde civilizações antigas até a Renascença e além. O museu possui mais de 9.000 esculturas, desde pequenas estatuetas até obras monumentais, tornando-o um dos repositórios de arte escultórica mais abrangentes e diversificados do mundo.

Embora a Vênus de Milo e a Vitória Alada sejam sem dúvida icônicas, estas são apenas um vislumbre das esculturas excepcionais que podem ser vistas no Louvre.

Outras esculturas famosas do Louvre incluem O Escriba Sentado, uma escultura egípcia antiga detalhada, a Psique neoclássica de Antonio Canova Revivida pelo Beijo do Cupido, a comovente O Escravo Moribundo de Michelangelo e As Três Graças representando charme e beleza.

Para ajudá-lo, selecionamos uma lista das esculturas mais famosas do Museu do Louvre para você ver na sua próxima visita. Explorar essas famosas esculturas do Louvre oferece uma viagem cativante pela evolução da arte.

Esculturas famosas do Louvre

1. Vitória Alada da Samotrácia

A Vitória Alada de Samotrácia, também conhecida como Nike de Samotrácia, é uma escultura helenística que representa Nike, a deusa grega da vitória.

Criado por volta de 190 aC, foi descoberto em 1863 por Charles Champoiseau na ilha de Samotrácia, na Grécia. A estátua foi encontrada em pedaços na encosta de uma colina e acredita-se que faça parte de um monumento que comemora uma vitória naval.

Vitória Alada é uma das esculturas mais famosas do Louvre e a mais fotografada, estando exposta na escadaria do Louvre, conferindo uma aura dramática à estátua.

2. Venus de Milo

A Vênus de Milo é uma antiga estátua grega que se acredita representar Afrodite, a deusa do amor e da beleza.

A estátua foi feita por volta de 100 a.C. e descoberta em 1820 por um fazendeiro na ilha de Milos, na Grécia. Quando foi descoberta, a estátua já não tinha os braços, e sua posição e existência originais permanecem um mistério.

A Vénus de Milo é admirada pela sua beleza clássica e tornou-se um símbolo icónico da arte grega antiga, sendo uma das esculturas mais reconhecidas do mundo, a Vénus de Milo é uma das esculturas mais famosas do Museu do Louvre.

3. O Escravo Moribundo de Michelangelo

O Escravo Moribundo é uma escultura criada por Michelangelo, parte de sua série inacabada destinada ao túmulo do Papa Júlio II.

Michelangelo trabalhou no projeto entre 1513 e 1516. O Escravo Moribundo representa uma figura masculina nas agonias da morte, transmitindo uma poderosa sensação de luta emocional e física.

A estátua foi encomendada para o túmulo do papa, mas permaneceu incompleta devido a vários factores, incluindo problemas financeiros e o facto de Michelangelo estar ocupado com outros compromissos.

A natureza inacabada de The Dying Slave e de outras esculturas do projeto da tumba aumenta seu fascínio, permitindo que os espectadores vislumbrem o processo criativo do artista.

A escultura foi adquirida pelo governo francês após a queda de Napoleão e hoje está exposta no Louvre.

4. Psiquê Revivida pelo Beijo do Cupido, de Antonio Canova

“A Psiquê Revivida pelo Beijo do Cupido” é uma escultura neoclássica de Antonio Canova, criada entre 1787 e 1793.

A escultura retrata o deus Cupido revivendo a Psique sem vida com um beijo. A história vem da mitologia romana e simboliza o triunfo do amor sobre a morte.

Encomendada pelo coronel John Campbell, um colecionador de arte, a escultura ganhou elogios consideráveis por seu acabamento requintado e profundidade emocional.

A estátua foi adquirida pelo cunhado de Napoleão e exposta no Louvre.

5. Diana de Versailles 

A Diana de Versalhes, também conhecida como Ártemis de Versalhes, é uma cópia romana em mármore de uma antiga estátua grega.

A escultura representa Diana, a deusa romana da caça e dos animais selvagens, equivalente à deusa grega Ártemis. Acredita-se que tenha sido criado no século II dC, como cópia de um original grego do século IV aC.

A estátua foi descoberta em 1556 na Itália, talvez no Templo de Diana, em Nemi, mas outras fontes sugerem que ela foi encontrada perto da Vila de Adriano em Tivoli.

Posteriormente, foi dado de presente ao rei Henrique II da França, pelo Papa Paulo IV, e transferido para Fontainebleau. Eventualmente, chegou ao Palácio de Versalhes, onde permaneceu até a Revolução Francesa.

Atualmente, a Diana de Versalhes está exposta no Museu do Louvre, em Paris.

6. As Três Graças

As Três Graças é um famoso motivo clássico que representa três figuras femininas frequentemente representadas dançando, abraçando ou de mãos dadas.

Eles estão associados ao charme, à beleza e à alegria de viver. Numerosas representações artísticas das Três Graças existem em várias culturas e períodos.

A escultura do Museu do Louvre, em Paris, é uma antiga cópia romana de um original helenístico. Criado por volta do século 2 aC, representa as três filhas de Zeus – Aglaea (Esplendor), Euphrosyne (Alegria) e Thalia (Bom Ânimo). As Graças eram associadas à beleza, charme e graça.

A estátua foi descoberta nas ruínas da vila romana do imperador Adriano em Tivoli, na Itália, durante o século XVIII. Passou a fazer parte do acervo do Louvre após ser adquirido por Luís XIV no século XVII.

Esta representação particular das Três Graças mostra o ideal clássico da beleza feminina e as virtudes associadas a estas deusas.

7. O Escriba Sentado

O Escriba Sentado é uma escultura egípcia antiga que data do século 26 aC, do período do Império Antigo.

Foi descoberto em 1850 na necrópole de Saqqara, perto de Memphis, no Egito, pelo arqueólogo francês Auguste Mariette.

Esta estátua de pedra calcária finamente detalhada representa um escriba sentado, enfatizando o elevado status social e as atividades intelectuais do indivíduo.

Ao contrário de outras representações de indivíduos da elite, o Escriba Sentado é mostrado em uma postura mais naturalista e relaxada, com atenção à representação de características faciais e roupas.

8. A Esfinge de Tanis

A Esfinge de Tanis é uma antiga estátua de esfinge egípcia que foi descoberta em Tanis, uma cidade no Delta do Nilo. Tanis foi a capital do Egito durante a 21ª Dinastia e a 23ª Dinastia

A Esfinge de Tanis é feita de granito vermelho e acredita-se que remonte ao Novo Reino, por volta de 1200 aC, embora seja difícil de determinar.

A estátua se destaca por seu tamanho colossal, com mais de 8 metros de comprimento (26 pés). A Esfinge retrata um leão com cabeça de faraó, provavelmente representando um governante específico da época.

A estátua foi encontrada no Templo de Amon-Ra durante escavações lideradas pelo arqueólogo francês Pierre Montet nas décadas de 1920 e 1930.

A estátua foi adquirida pelo Louvre de Henry Salt, um diplomata inglês que também era colecionador de antiguidades.

9. Touros Alados

O Museu do Louvre, em Paris, abriga uma coleção notável de arte antiga do Oriente Próximo, incluindo touros alados ou lamassu.

Um exemplo particularmente famoso é o Lamassu assírio do palácio de Sargão II em Khorsabad.

Este colossal touro alado fazia parte da elaborada ornamentação arquitetônica da capital assíria, Dur-Sharrukin (atual Khorsabad), no século VIII aC.

As figuras de Lamassu desempenhavam um papel protetor nos portões da cidade ou nas entradas do palácio, simbolizando o poder e a força dos reis assírios.

10. Ain Ghazal

Ain Ghazal refere-se a uma coleção de estátuas pré-históricas descobertas no sítio arqueológico de Ain Ghazal, na Jordânia. As estátuas fazem parte do período Neolítico e datam de cerca de 7.000 a 6.500 aC. Estão entre as peças mais antigas em exibição no Museu do Louvre.

As estátuas de Ain Ghazal são notáveis pelo seu grande tamanho e características distintas. Os exemplos mais conhecidos são as estátuas de gesso representando figuras humanas.

Estas estátuas, muitas vezes com feições exageradas e olhos amendoados, foram feitas com uma mistura de gesso de cal e junco.

Já o Louvre abriga uma das estátuas de Ain Ghazal, conhecida como “Estátua da figura humana”. Esta estátua em particular é uma das primeiras representações em grande escala da forma humana conhecidas no antigo Oriente Próximo.

A descoberta em Ain Ghazal foi feita durante a década de 1980, e o sítio arqueológico forneceu informações valiosas sobre as primeiras comunidades agrícolas.

As figuras em pé de Ain Ghazal do Louvre são artefatos essenciais que lançam luz sobre as práticas artísticas e culturais das sociedades neolíticas da região.

11. Gladiador Borghese

A estátua foi feita em Éfeso por volta de 100 a.C., por um artista chamado Agasias (de acordo com a assinatura). Recebeu o nome de “Gladiador Borghese” devido à sua associação histórica com a família Borghese, que já foi proprietária da peça.

No entanto, a estátua provavelmente não representa um gladiador, mas sim um guerreiro

O Gladiador Borghese foi descoberto entre as ruínas de um palácio à beira-mar de Nero, por volta de 1610,  a estátua foi então adicionada à coleção da família Borghese e, em 1807, Camillo Borghese se viu pressionado a vender a estátua para seu cunhado. , Napoleão Bonaparte.

12. Hermafrodito adormecido

A estátua retrata Hermafrodito, filho de Hermes e Afrodite, em posição reclinada. Esta representação específica é uma cópia romana de um original grego do século II aC.

A escultura representa uma mistura sensual de atributos masculinos e femininos, mostrando a natureza andrógina de Hermafrodito. A figura está em estado de sono, com uma vulnerabilidade sedutora e um pano drapeado cobrindo parcialmente o corpo.

O Hermafrodito Adormecido foi descoberto em Roma durante o século XVII. A restauração da estátua foi executada pelo renomado escultor Gian Lorenzo Bernini, que acrescentou colchões e travesseiros super realistas.

A peça foi posteriormente adquirida pelo Cardeal Scipione Borghese, passando a fazer parte da Coleção Borghese e eventualmente chegando ao Louvre.

13. Milo de Crotona

A estátua foi encomendada a Pierre Puget pelo rei Luís XIV para decorar os jardins do Palácio de Versalhes.

Milo de Croton foi um lendário atleta e lutador grego que viveu no século VI aC. Segundo o mito, Milo tentou partir o tronco de uma árvore com as próprias mãos.

Ele conseguiu criar um buraco no tronco, mas quando tentou puxar as mãos, a árvore se fechou, prendendo-o. Incapaz de se libertar, Milo tornou-se vítima de animais selvagens, sendo morto e comido por lobos.

O mito destaca os perigos do orgulho e da força excessivos, o que torna esta obra ainda mais curiosa quando se leva em consideração que foi encomendada ao rei Luís XIV, famoso pelo seu orgulho e excessos, (mas não estamos aqui para julgá-lo, certo? !)

Nesta escultura, Puget tomou a liberdade de trocar o lobo por um leão. Milo é representado aqui com uma expressão angustiada,  enquanto tenta desesperadamente se libertar, suas pernas e pés.

14. Santa Maria Madalena

Santa Maria Madalena é definitivamente um retrato incomum de uma santa. Aqui Maria é apresentada nua, vestida apenas com seus longos cabelos.

Esta escultura de madeira pintada representa a arrependida Maria Madalena, e também é conhecida por outros nomes: Madalena Penitente ou também A Bela Mulher Alemã.

Foi criado por Gregor Erhart em 1520, provavelmente para a Igreja de Santa Maria Madalena em Augsburg, Alemanha. A escultura é uma boa representação do humanismo nórdico popular no final da Idade Média.

Visitando o Museu do Louvre

Ingressos

Os bilhetes podem ser adquiridos na bilheteira e custam 22€. Porém, é preciso entrar na fila para comprar o ingresso, e depois entrar em outra fila para entrar no museu. Uma boa ideia é comprar o ingresso online, assim você evita filas e garante sua entrada.

Visitas guiadas

As visitas guiadas são sempre uma boa ideia, especialmente quando você está visitando um grande museu como o Louvre. Com uma visita guiada você tem a garantia de ver todos os destaques e obras-primas mais famosas sem se perder no processo. É uma experiência muito mais envolvente e uma maneira divertida de aprender.

Há passeios para todos os tipos de pessoas e propósitos, confira a lista dos melhores passeios pelo Museu do Louvre aqui.

Como chegar lá

A maneira mais fácil de chegar ao Museu do Louvre é de ônibus ou metrô.

ÔOnibus nº 21, 27, 39, 67, 68, 69, 72, 74, 85, 95

Metrô: Palais-Royal / Musée du Louvre (linhas 1 e 7) ou Pyramides (linha 14)

Horário

O museu está aberto às segundas, quartas, quintas, sábados e domingos, das 9h00 às 18h00. Às sextas-feiras, das 9h00 às 21h45. O Museu do Louvre fecha às terças-feiras.

A última entrada é sempre 1 hora antes do fechamento, e a limpeza dos quartos é feita 30 minutos antes do fechamento.

Similar Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *