Museu Britânico: 15 Obras de Arte Imperdíveis

Com uma coleção de 8 milhões de objetos de todos os continentes, o Museu Britânico de Londres documenta a história de diferentes civilizações desde os primeiros tempos até o presente. A coleção do Museu Britânico é dividida em 10 departamentos de curadoria e pesquisa, de acordo principalmente com as origens das peças.

Entre as principais obras do Museu Britânico, há objetos famosos como a Pedra de Roseta, que nos ajudaram a entender a antiga língua egípcia. Além de seus próprios objetos, o museu realiza exposições, mas na maioria das vezes há uma taxa.

Reserve seus passeios pelos links do site! Esse post contêm links de afiliados, e eu ganho uma pequena comissão por compras feitas por esses links SEM QUALQUER CUSTO ADICIONAL para você 🙂 Assim você nos ajuda a criar conteúdos cada vez melhores.

Museu Britânico: 15 Obras de Arte Imperdíveis

Visitar o Museu Britânico

A visita ao Museu Britânico é obrigatória para quem passa alguns dias em Londres e a sua entrada é totalmente gratuita, por isso não há motivo para pular esta oportunidade!

A coleção do Museu Britânio é uma das mais fascinantes à disposição do público, você encontrará peças de diferentes países e idades. Algumas das peças exibidas aqui também são a chave para entender algumas passagens da história e nos ajudam a entender melhor nosso passado.

É famoso por suas coleções egípcias e tem mais de 7 salas egípcias, exibindo desde múmias e estátuas até manuscritos famosos como o Livro dos Mortos. Os painéis assírios também são impressionantes, já vi alguns notáveis ​​no Louvre, mas o Museu Britânico tem uma coleção maior.

Na minha opinião, se você está procurando uma coleção egípcia fora do Egito, este é o lugar certo. Os painéis assírios também são impressionantes, vi alguns notáveis ​​em, mas o Museu Britânico tem uma coleção maior.

⌚️ Horarios: O museu abre ao público todos os dias das 10:00 até as 17:30. Nas Sextas-feiras, o horário é até as 20:30. Já o grande átrio, abre as 09:00 até as 18:00 e 20:30 nas Sextas-feiras

História do Museu Britânico

O museu Britânico foi fundado em 1753 e aberto ao público em 1759, e é hoje o o museu mais visitado de Londres e do mundo,sendo considerado o terceiro maior museu do mundo, atualmente.

Quando foi aberto, o Museu Britânico era o primeiro museu público, gratuito do mundo e reunia as coleções da Cottonian Library, coleções antes particulares de manuscritos e a coleção também antes particular do médico naturalista Sir Hans Sloane.

A compra da coleção de Sir Hans Sloane pelo Parlamento do Reino Unido é o que deu inicio a fundação do Museu Britânico. Com o crescimento do acervo, se viu a necessidade de dividir as peças dessa coleção em dois museus, e assim foi criado o Museu de História Natural de Londres, onde hoje é guardada a parte da coleção voltada à ciência e biologia.

👉Você sabia? O primeiro museu público aberto no mundo também é britânico e fica em Oxford. Chamado de Museu de Ashmolean ele foi aberto em 1683 e guarda a coleção pessoal de Elias Ashmole.

O que ver no Museu Britânico

Definitivamente, leva tempo ou vagando pelos corredores, apesar da enorme coleção, não é preciso muito para visitá-la completamente.

Mas para quem não tem tempo, dê uma olhada nessa lista de o que ver no Museu Britânico abaixo, certamente fará sua visita valer a pena!

Memnon Mais Jovem. Esse é uma das duas cabeças de granito colossais colocados na entrada do templo mortuário de Ramsés em Tebas, no Egito, o templo e conhecido como Ramesseum. A estátua representa Ramesés II o faraó da Décima Nona Dinastia do Egito, vestindo o Nemes, o tecido vemos cobrindo a cabeça dos faraós.
source: British Museum

Memnon Mais Jovem

Esse é uma das duas cabeças de granito colossais colocados na entrada do templo mortuário de Ramsés em Tebas, no Egito, o templo e conhecido como Ramesseum. A estátua representa Ramesés II o faraó da Décima Nona Dinastia do Egito, vestindo o Nemes, o tecido vemos cobrindo a cabeça dos faraós.

Apesar de não ser considerado uma coroa, o Nemes ainda assim, simboliza o poder do faraó.

Inicialmente a estátua era formada pelo corpo completo do faraó, porém a cabeça que hoje vemos no Museu Britânico é a única parte que restou, o resto da estátua nunca foi encontrada.

A outra estátua que fazia par com essa na porta do templo, ainda se encontra no Ramesseum.

Localização: Sala do Antigo Egito.

👉 VOCÊ SABIA? Agora é possível visitar o museu online com o tour virtual pelo Museu Britânico. Além do Museu Britânico, existem muitos outros museus que oferecem passeios virtuais online.


Pedra de Roseta. A famosa Pedra de Roseta, graças a esta pedra, encontrada em 1799 na cidade de Rashid, foi possível descobrir o significado da linguagem hieroglífica usada no antigo Egito.

Pedra de Roseta

Na minha opinião, esta é uma das peças mais importantes do museu: A famosa Pedra de Roseta.

Graças a esta pedra, encontrada em 1799 na cidade de Rashid, por soldados franceses durante a invasão de Napoleão Bonaparte, foi possível descobrir o significado da linguagem hieroglífica usada no antigo Egito.

A pedra, contendo um decreto emitido em Memphis em 196 aC, foi escrita usando hieróglifos, demótico e grego antigo, com o tempo foi possível decodificar os hieróglifos através do grego antigo e a fonética das ilustrações através do texto demótico.

O decreto inscrito estabeleceu o culto divino do novo governante, o rei Ptolomeu V.

Localização: Antigo Egito, sala 4.

👉 Dica: Apesar da entrada ser gratuita, não perca a oportunidade de fazer um tour guiado pelo Museu Britânico, para aprender mais sobre a história e as peças aqui expostas, com ticket para esse tour, você também não precisa pegar nenhuma fila para entrar no Museu Britânico, assim você economiza tempo para visitar outras atrações na cidade! Garanta seu tour guiado aqui.


Mumias egipcias do museu Britânico

Mumias (Sala 60 e 63)

Entre a vasta coleção de artefatos egípcios no Museu Britânico, estão as múmias humanas. Além disso, o museu também mantém mais de trezentas múmias de animais, que incluem gatos, cães, touros e até um crocodilo de 4 metros.

O museu tem mais de 140 múmias e caixões em sua coleção, e a maioria delas está em exibição. O mais famoso deles é a múmia Katabet.

Estão todos em ótimo estado e com detalhes muito únicos. Alguns são decorados e pintados, outros apenas cobertos, mostrando o incrível processo e trabalho de mumificação, típico da civilização egípcia antiga.

Uma das múmias do Museu Britânico é completamente descoberta, para quem é mais curioso!

Localização: Antigo Egito, salas 60 e 63.


Múmia de Katebet no Museu Britânico

Múmia de Katebet (Sala 63)

Conhecida por ser uma cantora de Amun em Karnak, ela serviu durante o final da 18ª ou começo da 19ª dinastia em torno de 1300 aC. A múmia de Katebet foi encontrada em um túmulo de Theban ao lado de uma múmia masculina, provavelmente seu marido, Qenna.

Ela já era velha quando morreu, e seu caixão foi aparentemente projetado para um homem e depois alterado para seu uso.

Localização: Antigo Egito, sala 63.

👉 Dica: Que tal um chá das cinco no museu mais visitado da Inglaterra? Escolha entre uma variedade de opções de chá, e prove um deliciosos sanduiche, scones e folhados enquanto admira o teto de vidro tão famoso do Museu Britânico. Reserve esta experiência aqui!


O Livro dos Mortos

O Livro dos Mortos

Além dos muitos papiros que você pode encontrar no Museu Britânico, perto das múmias você encontrará o famoso Livro dos Mortos, um texto funerário que consiste em feitiços mágicos para ajudar os mortos no além.

Muitos dos feitiços nesta coleção são datados do terceiro milênio aC e costumavam ser pintados nas paredes das pirâmides e caixões antes da criação do Livro dos Mortos.

Após essa criação, o livro costumava ser colocado nos caixões ou na câmara funerária do falecido.

Localização: Antigo Egito, sala 62.


Portões Balawat

Portões Balawat

Na antiga cidade de Balawat (na região do Iraque), os portões dos edifícios costumavam a ser decorados com três faixas de bronze ricamente decoradas. Cada uma contando uma história, muitas vezes das façanhas Assírias. Hoje elas são consideradas umas das obras de arte mais importantes da época Neo-Assíria.

Os portões em si eram feitos de madeira e por causa do tempo, acabaram se decompondo, deixando para trás as grandes faixas de bronze.

O portão que agora vemos em exposição no Museu Britânico, foi descoberto em 1878 por Hormuzd Rassam, e levado para o museu, lá também é possivel ver uma réplica do portão, o que nos dá uma ideia da grandiosidade dele. Esse set the portões pertenciaao templo de Manu (o Deus Assírio dos sonhos)

Localização: Sala 5.


LEIA TAMBÉM O QUE VER NOS MUSEUS DO VATICANO.


source: greece-is

Mármores e Esculturas de Parthenon

Originalmente do Partenon, em Atenas, um templo grego de 2.500 anos dedicado à deusa Atena.

Apesar de todo o debate sobre se essas peças foram legalmente compradas pelo Reino Unido e exibidas no Museu Britânico, ou deveriam ser levadas de volta a Atenas para onde pertencem, essas fascinantes obras de arte gregas devem ser admiradas.

As peças de mármore são conhecidas como Mármores de Elgin e foram feitas sob a orientação do escultor e arquiteto da Grécia Antiga, Phidias.

A coleção de mármores inclui um friso de 75 metros de comprimento, retratando a batalha entre os lapiths e os centauros.

Localização: Sala 18.


Hoa Hakananai’a

Seu nome significa amigo perdido ou roubado . É um dos dezesseis Moais feitos de basalto, foi removido da Ilha de Páscoa e trazido para Londres em 1868.

Este Moai, em particular, é importante por causa das ilustrações esculpidas em suas costas associadas ao culto do Homem-pássaro (tangata manu).

Localização: Sala 24.


Serpente de duas cabeças feita por Astecas, no museum Britânico.

Serpente de duas cabeças

Uma serpente com uma cabeça em cada extremidade, feita por Astecas e que se acredita ser usada ou durante cerimônias religiosas, a serpente representa Quetzalcoatl. Sua base é feita de madeira e decorada com turquesa e conchas.

Esta é uma das 25 serpentes na Europa e acredita-se ser dado a Hernán Cortés como um presente pelo imperador asteca Moctezuma II, quem inicialmente pensou que Hermán era uma personificação do deus Quetzalcoatl.

Localização: Sala 27.


source: www.commons.wikimedia.org

As peças de xadrez de Lewis

Datado de 1150-1200 dC, as peças de xadrez foram encontradas nas Ilhas Ocidentais, que faziam parte do Reino da Noruega, mas atualmente fazem parte da Escócia. Aparentemente, eles foram enterrados para custódia, em rota para a Irlanda, onde seria vendido.

As peças de xadrez mostram a conexão política e cultural entre os reinos da Ilha Britânica e da Escandinávia durante a Idade Média e a crescente popularidade do jogo Xadrez na Europa neste período.

O xadrez foi criado na Índia por volta de 500 aC e trazido para a Europa cristã através do mundo islâmico.

Localização: Sala 40.


Tesouro Oxus

Uma coleção de 180 peças originalmente da Pérsia, hoje na região do Tadjiquistão, perto do rio Oxus. A coleção é composta principalmente de pequenos pedaços feitos de ouro, mais 200 moedas da Pérsia e foi encontrado pelo rio.

A coleção, inicialmente, tinha mais de 1500 moedas e outras pequenas esculturas, que provavelmente foram derretidas. Acredita-se que esse tesouro pertencia a um templo.

Localização: Sala 52.


source: British Museum

O Jogo Real de Ur

O jogo consiste em dois tabuleiros e foi encontrado em um túmulo real na antiga cidade-estado de Ur, no Iraque.

Os dois tabuleiros são datadas da Primeira Dinastia de Ur, antes de 2600 aC, é considerado um dos exemplos mais antigos de jogos de tabuleiro já encontrados.

Juntamente com o jogo, foi encontrado uma tábua que descreve parcialmente como ele deve ser jogado, permitindo-nos entender e jogar o jogo 2.000 anos após sua criação.

Localização: Sala 56.


source: creationbaumann.com

Armadura Samurai

Entre a coleção japonesa na exposição do Museu Britânico, a mais notável é o Conjunto de Armadura datado dos séculos XVI a XIX.

As peças formam uma armadura completa samurai, feita principalmente de ferro e aço e protegiam os samurais de flechas provenientes de diferentes direções e, posteriormente, de balas.

Este tipo de conjunto mudou pouco desde a sua criação e permaneceu em uso até o período Edo (1600 – 1868).

Neste capacete especificamente, baseado na crista entre os chifres, pode ter pertencido a um retentor da família Maeda, os senhores da província de Kaga.

Localização: Sala 93.


Esfinge de Tahargo

Originalmente do antigo reino da Núbia, a esfinge representa a face do rei núbio Tahargo, o quarto e último rei a governar o reino combinado do Egito Antigo e Kush.

A estátua foi encontrada perto do Templo de Amun em Kawa, na Núbia, agora Sudão.

Localização: Sala 65.


Homem de Lindow

O corpo de um homem novo encontrou em um pântano de turfa perto de Lindow Moss, noroeste da Inglaterra.

Não foi o único corpo encontrado no mesmo local, um ano antes de sua descoberta, o corpo de uma mulher foi encontrado no mesmo pântano, mas o Homem de Lindow continua sendo um dos corpos de pântano mais bem preservados encontrados na Europa.

O homem de Lindow era um homem saudável em seus 20 e poucos anos, aparentemente ele tinha um alto status, já que seu corpo não mostra evidências de trabalho pesado.

Embora se saiba que ele sofreu uma morte violenta, as verdadeiras causas são desconhecidas.

Localização: Sala 37.


source: British Museum

Cabeça de Ife (Sala 25)

Uma cabeça de bronze que acredita-se representar Ooni, um governante africano do antigo reino de Ifé, na Nigéria, a cidade era considerada a capital religiosa e real do povo Yoruba.

A máscara foi feita antes dos africanos terem qualquer contato com os europeus, portanto, diferente do que muitos pensam, as máscaras não têm influência dos gregos ou esculturas romanas.

O realismo neste tipo de arte é algo incomum na cultura africana. No total, dezoito cabeças foram encontradas, acredita-se que sejam feitas pelo mesmo artista.

Localização: Sala 25.

Como chegar ao Museu Britânico de Londres

O museu está localizado na Great Russell Street, Londres. É muito fácil chegar aqui e você pode pegar tanto o metrô como o ônibus. As estações de metro mais próximas são a Tottenham Court Road e a Holborn, elas deixam você muito perto do museu, depois é só caminhar um pouco.

Já os onibus, vários passam pelas proximidades do museu. Entre eles, o ônibus 73, que é uma das melhores opções para turistas, pois além do Museu Britanico, ele também passa por alguns outros pontos no centro de Londres. Para mais informações sobre a linha de onibus, consulte aqui.

Você também pode optar pelo ticket do onibus Hop on Hop off, que te deixa bem na entrada do museu, e ainda oferece paradas nos principais pontos turísticos de Londres. Ele é uma ótima opção para aqueles que querem economizar tempo e dinheiro se locomovendo pela cidade, você pode compra-lo aqui.

Entrada e ticket

A entrada para o Museu Briânico é totalmente gratiuta, ele é um dos vários museus e pontos turisticos gratuitos em Londres.

Se você prefere aproveitar mais a sua visita, para aprender ao máximo sobre as peças em exposição na coleção do museu, é interessante contratar um tour. Há várias opções de tour oferecidos, porém as mais interessantes são o tour guiado em pequeno grupo, um passeio de duas horas pelo museu, com um profissional. é uma ótima oportunidade para aprender mais sobre as peças e fazer perguntas. Você pode compra-lo aqui. Lembrando, que o tour é oferecido apenas em Inglês.

Curiosidades do Museu Britânico

  • O Museu Britânico é o maior museu do mundo, cobrindo cerca de 92.000 metros quadrados
    É também o mais antigo museu público nacional. Inaugurado desde 1759, o Museu Britânico tem mais de 17 anos que os EUA!
  • Por mais de 30 anos, o museu teve sua própria estação de metrô.
  • Ao procurar um local perfeito para construir o museu, foi considerado um local chamado Buckingham House, mas Montague House acabou sendo o local escolhido. Mais tarde, a Buckingham House foi reconstruída como o Palácio de Buckingham!
  • O objeto mais antigo do Museu Britânico é uma ferramenta de corte de pedra que se acredita ter mais de 2 milhões de anos.
  • Apenas 1% da coleção do museu é exibida ao público.
  • Durante a exposição temporária “Treasures of Tutankhamun”, exibindo os artefatos do rei Tutankhamun, cerca de 1,7 milhão de pessoas visitaram o museu, tornando-a a exposição mais bem-sucedida da história britânica.
  • Entre o tablet mesopotâmico da coleção, há um considerado a reclamação de cliente mais antiga do mundo, há quase 4.000 anos.


 

 

Sobre Isadora

Writting and sharing travel experiences

(3) Comments

  1. Lígia Silva says:

    Um sonho conhecer esse lugar <3

    http://www.ligiaslife.com

  2. Ayllen says:

    Parabéns pela seleção, sobretudo com as explicações sintéticas, mas informando o relevante sobre a obra! Com certeza vai enriquecer muito minha visita.

    1. Obrigada Ayllen! 🙂 Espero que tenha ajudado!

Leave a Reply to Ayllen Cancel reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *