Museu de História Natural de Londres: Principais Obras

Um dos museus mais famosos de Londres, o Museu de História Natural está localizado em um edifício icônico e possui um acervo de grande valor histórico e científico para o mundo, que vale a pena ver por quem visita Londres.

Com mais de 80 milhões de itens distribuídos em cinco categorias diferentes, você encontrará entre os destaques do Museu de História Natural de Londres, o primeiro fóssil T-Rex já encontrado, bem como espécimes coletados pelo próprio Charles Darwin e rochas tão antigas como o sistema solar.

Para quem gosta de fósseis de dinossauros, este museu é imperdível, ouso dizer que tem a coleção de dinossauros mais impressionante do mundo, pelo menos que eu já vi.

Museu de História Natural de Londres: Principais Obras

História

O Museu de História Natural de Londres foi fundado em 1756 como uma filial do Museu Britânico, após Sir Hans Sloane, que vendeu parte de sua coleção pessoal ao Governo Britânico. Naquela época, a coleção estava exposta na Montagu House ao lado de outras coleções do British Museum.

À medida que a coleção crescia, mais espaço era necessário e, em 1881, a seção de História Natural recebeu um novo prédio, projetado por Alfred Waterhouse em estilo românico. No entanto, o MHN só se tornou oficialmente independente em 1963.

O que ver no Museu de História Natural

O (verdadeiramente) Primeiro Fóssil T-Rex já encontrado

O primeiro fóssil de T-rex já descoberto foi encontrado por Barnum Brown, um caçador de fósseis que trabalhava para o Museu de História Natural Americano, em 1902 em Hell Creek, Montana.
A rocha ao redor do fóssil foi explodida com dinamite, revelando o esqueleto quase completo. O fóssil foi transportado para o museu e classificado em 1905 como um Tyrannosaurus rex.

ESTA NÃO é a história deste fóssil do MHN. 🙂

Vamos voltar mais dois anos, até 1900. Barnum Brown estava procurando por um crânio de Triceratops, mas no meio da escavação acabou encontrando algo diferente, o crânio de um dinossauro carnívoro nunca visto antes. Ele não sabia o que era, e esse não era o objetivo de sua busca de qualquer maneira, então ele decidiu deixar isso de lado e voltar para sua busca no crânio do Triceratops.

Mais tarde, este crânio T-Rex foi classificado como um Dynamosaurus.

Anos mais tarde, especialistas descobriram que ambos os fósseis, o Tyrannosaurus ‘encontrado em 1902 e o Dynamosaurus’ encontrado em 1900, eram na verdade a mesma espécie, transformando o fóssil de 1900, o verdadeiramente primeiro fóssil T-Rex já encontrado, e seu crânio, pode ser visto hoje no Museu de História Natural de Londres.


LEIA TAMBÉM 3 DIAS EM LONDRES.


Esqueleto de Iguanodonte

O iguanodonte é conhecido por ser um dos três primeiros dinossauros já descobertos e classificados como de fato um dinossauro.

O nome veio do fato de que o primeiro fóssil deste dinossauro já descoberto foram os dentes, que se pareciam com os dos iguanas.

Hoje em dia um esqueleto completo, feito de 80% a 90% de ossos reais, pode ser visto no Hintze Hall do MHN.

T-Rex animado

Ao finalizar sua visita à seção de Dinossauros do Museu de História Natural, você encontrará uma das atrações provavelmente mais famosas do museu: o T-Rex Animado.

Embora o museu não exiba um esqueleto completo do T-Rex, ele possui uma versão animatrônica impressionante criada por um especialista em dinossauros. O modelo de 8 metros de comprimento pode reagir aos visitantes, movendo a cabeça, boca, cauda e rugindo.

Fóssil de Plesiossauro de Mary Anning

Nascida em uma família pobre no século 19, Mary Anning se tornou uma das maiores caçadoras de fósseis do mundo. Assim como seu pai, Mary colecionava fósseis por hobby, desde jovem.

Aos 12 anos, Mary e seu irmão encontraram o fóssil de um Ictiossauro, que abriu seu caminho para o mundo científico. Mas foi sua descoberta em 1823 que colocou seu nome no hall da fama: o fóssil Plesiossauro.

Dodo

Endêmico das Ilhas Maurício, pouco se sabe sobre o Dodô, esse pássaro estranho e gordinho, já que eles se livraram antes que tivéssemos qualquer possibilidade de estudar essas aves.

Infelizmente, o Dodô é um dos exemplos mais recentes de animais extintos, foram avistados pelos marinheiros portugueses em 1507 e, a partir daí, foram caçados até à sua extinção. O último indivíduo foi morto em 1790.

Por causa disso, Dodo agora é um símbolo da extinção induzida pelo homem.

Existe apenas um esqueleto quase completo de Dodô no mundo, e ele está sendo abrigado no Museu de Ciências Naturais de Durban, na África do Sul, enquanto outros museus guardam apenas alguns ossos.

Mas aqui no Museu de História Natural de Londres, você pode ver réplicas em 3D das espécies de Dodos que costumavam existir. Não, eles não são bichos de pelúcia reais, infelizmente, mas eles nos dão uma boa ideia de como esses pássaros estranhos seriam na vida real.


LEIA TAMBÉM PRINCIPAIS OBRAS DO MUSEU BRITÂNICO DE LONDRES.


Crânio de Leão Barbaro

A Torre de Londres foi muitas coisas ao longo dos tempos, mas 700 anos atrás, especificamente, era um Zoológico Real. Durante séculos, este zoológico abrigou animais exóticos, e entre eles estavam dois Leões Barbary, que ocuparam o lugar de honra, logo na entrada do Zoológico, como um símbolo de força e nobreza.

Apesar do simbolismo, acredita-se que os leões não tiveram uma vida muito boa, infelizmente.

Barbary Lion é uma espécie extinta de leão (declarada extinta na natureza em 1922), originalmente do norte da África (do Marrocos ao Egito).

Os dois crânios foram descobertos no antigo fosso da Torre de Londres e transferidos para o MHN. O crânio mais antigo é datado entre 1280 e 1385, enquanto o outro é estimado entre 1420 e 1480.

A Origem das Espécies

O Museu de História Natural tem em sua coleção a primeira edição do livro de Charles Darwin ‘A Origem das Espécies’. Este é sem dúvida o livro mais importante da biologia de todos os tempos … até agora.

Nele, Darwin descreve sua teoria da evolução por seleção natural, que foi revolucionária quando foi escrita pela primeira vez. Antes deste livro, a opinião comum era que Deus criou tudo exatamente do jeito que já é, e ir contra essa ideia, imposta pela Igreja, era de fato um movimento perigoso.

Como esperado, Darwin foi profundamente criticado, ainda assim, o livro foi um sucesso e esgotou no mesmo dia da publicação.

Rocha Lunar

A Pedra da Lua em exibição no Museu de História Natural de Londres vem da última missão Apollo e é a única peça da Pedra da Lua de Apollo de propriedade do Reino Unido.

Em 1973, o presidente Richard Nixon decidiu doar um fragmento da rocha para 135 países, incluindo o Reino Unido. Agora, a rocha fica no Salão da Terra do MHN.


LEIA TAMBÉM VISITANDO O PALÁCIO DE BUCKINGHAM.


Lucy, o Australopithecus

Na galeria da Evolução Humana do museu, você pode ver uma réplica de Lucy, o Australopithecus, uma descoberta fundamental em matéria de nossa evolução.

O fóssil de Lucy foi descoberto na Etiópia em 1974. O esqueleto da pequena fêmea hominínea é um dos melhores exemplos já encontrados e confirma que nossos ancestrais caminhavam eretos, embora não fossem capazes de caminhar longas distâncias no solo, comprovando que esta característica surgiu na linhagem humana muito antes do desenvolvimento de um cérebro maior.

Ao lado da réplica do esqueleto de Lucy, você também encontrará uma réplica das pegadas de Laetoli, mostrando as pegadas de um hominídeo bípede.

Simulador de Terremoto

Não perca a chance de entrar no pequeno cômodo decorado no estilo japonês moderno, mas não há razão para ter medo do chão tremer de repente!

O simulador de terremoto mostra como foi durante o terremoto em Kobe, no Japão, ocorrido na manhã de 27 de janeiro de 1995, com magnitude 6,9 (7,3 na escala Richter).

O uso do simulador é totalmente gratuito.

Tour Pelos Bastidores

O que a maioria das pessoas que visitam o Museu de História Natural de Londres não sabe é que o museu também oferece um tour pelos bastidores, e neste tour você pode visitar as Spirit Collections, compostas por espécimes naturais preservados.

Localizada no Darwin Center, a Spirit Collection conta com 27 quilômetros de estantes e mais de 23 milhões de exemplares! Cada categoria de animal tem um piso, mas aliás, o destaque do passeio é a Sala dos Tanques, onde ficam os exemplares maiores.

A maioria dos animais exibidos aqui são criaturas marinhas e, entre eles, você encontrará espécimes interessantes como o celacanto e, claro, a lula gigante super-rara.

via @swamibu /Flickr

A Lula Gigante

Considerada um mito por séculos, a Lula Gigante é realmente uma visão rara. “Archie”, como este espécime em particular foi carinhosamente chamado, foi adquirido pelo museu após ter sido acidentalmente capturado por pescadores.

Pouco se sabe sobre os hábitos deste animal, visto que vivem no fundo do mar e raramente vêm à superfície.

Devido ao seu comprimento incrível (8,62 metros), era especialmente difícil de preservar e abrigar Archie. Ele agora está em exibição no Tank Room e pode ser visto se você fizer o Tour pelos Bastidores (Behind the Scenes Tour).

Sobre Isadora

Writting and sharing travel experiences

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *