O que ver no Museu D’Orsay: 11 Obras Principais

Um dos museus mais visitados de Paris, o Musée d’Orsay abriga a maior coleção de peças impressionistas e pós-impressionistas do mundo, e entre elas estão algumas obras-primas muito importantes.

Localizada na margem esquerda do rio Sena, no edifício que pertenceu à Gare d’Orsay, uma ferrovia construída em 1900, algo perceptível quando se chega ao salão interior e vê o relógio da estação pendurado.

A coleção do Musee d’Orsay conta com pinturas, esculturas, móveis e fotografias de artistas principalmente franceses de 1848 a 1914 e neste post, veremos a melhor pintura para ver no Musée d’Orsay.

O que ver no Museu D’Orsay: 11 Obras Principais

Reserve seus passeios pelos links do site! Esse post contêm links de afiliados, e eu ganho uma pequena comissão por compras feitas por esses links SEM QUALQUER CUSTO ADICIONAL para você 🙂 Assim você nos ajuda a criar conteúdos cada vez melhores


Leia também:


Dance at le Moulin de la Galette musee d`orsay

Dança no le Moulin de la Galette – Renoir

Uma das minhas pinturas favoritas. Renoir pintou em 1876.

O Moulin de la Galette em Montmartre era um lugar popular durante o século XIX, especialmente entre a classe trabalhadora, que costumava ir lá aos domingos para se encontrar, dançar, tomar uma bebida e aproveitar o tempo livre.

É exatamente isso que esta imagem retrata. Um instantâneo de pessoas patinando no gelo e se divertindo durante o dia de folga em uma tarde de domingo.

O quadro é cheio de gente e super rico em detalhes, cada cantinho tem algo para admirar. Os lindos vestidos que as mulheres usam ou os rapazes apreciando a vista da mesa.

The Origin of the World musee d`orsay

A Origem do Mundo – Gustave Courbet

TCHAANAN Polêmica!

Esta pintura de Gustave Courbet provavelmente foi encomendada por seu primeiro proprietário, Khalil-Bey, um diplomata turco-egípcio, dizem que ele era uma figura extravagante na sociedade parisiense na década de 1860, mas ainda me pergunto como ele teve essa ideia. ..e porque?

De qualquer forma, artisticamente falando, bem, todos nós viemos de lá, certo? Então, por que não admirá-lo por um segundo?

Não foi a primeira vez que Courbet pintou um corpo feminino nu, ele era realmente muito bom nisso, mas definitivamente foi a primeira vez que ele, ou qualquer outra pessoa, pintou uma descrição tão realista e quase anatômica do órgão sexual feminino.

Embora a imagem explícita tenha sido pintada de forma a dar zero conotação pornográfica. É definitivamente uma pintura admirável.

Self-Portrait Van Gogh musee d orsay

Auto-retrato – Van Gogh

Você não quer sair de Paris sem ver uma pintura tão famosa, não é? Bem, você não deve perder a chance de se encontrar cara a cara com Van Gogh… ou quase.

Van Gogh, assim como alguns outros pintores de seu tempo, adorava pintar autorretratos, mas parte disso pode ter sido por falta de dinheiro para pagar os modelos. Durante sua carreira, pintou quarenta e três autorretratos.

Este especificamente, pode ser o último auto-retrato que Van Gogh já pintou, mas essa informação é questionável.

A técnica como você pode imaginar, consistia em se olhar no espelho, basicamente. Exige muita observação (crítica) que pode acabar levando a crises de identidade, algo pelo qual Van Gogh é, infelizmente, famoso.

Depois de concluir este retrato, Van Gogh o enviou para seu irmão mais novo Theo, o negociante de arte.

Starry Night Over the Rhône musee d`orsay

Noite estrelado sobre o Rhone – Van Gogh

Um verdadeiro clássico de Van Gogh. Você provavelmente já viu esta pintura por aí, pois é uma de suas obras mais famosas dele.

Van Gogh na verdade pintou mais de uma Noite Estrelada, cenas diferentes, mas ambas retratam um céu escuro cheio de estrelas brilhantes. A outra pintura faz parte da coleção do MoMa em Nova York.

Esta cena do rio Ródano fica a apenas dois minutos a pé da Casa Amarela, uma casa em Arles, na França, que Van Gogh estava alugando na época em que pintou a Noite Estrelada sobre o Ródano, em 1888. Casa que agora está em exibição no museu Van Gogh em Amsterdã.

Além das pinceladas lindamente fortes de Van Gogh, o que chama a atenção nessa obra-prima é o reflexo bem captado das estrelas na água.

Bedroom in Arles musee d orsay

Quarto em Arles – Van Gogh

Falando sobre sua viagem a Arles. Na verdade, existem três versões desta pintura, a do Musée d’Orsay é a terceira versão.

Retrata o quarto do artista quando ele estava hospedado na Casa Amarela em Arles. Van Gogh decidiu viajar para Arles com a intenção de criar um lugar onde os pintores pudessem viver e trabalhar juntos em um belo cenário com muito mais luz solar do que Paris.

A sala como vemos na imagem foi organizada por Van Gogh e a pintura na parede foi feita por ele mesmo.

Olhando para esta arte, a primeira coisa que notamos é o ângulo estranho da imagem. Embora Van Gogh tenha dito em uma carta a seu irmão e negociante de arte Theo que ele havia “achatado” o interior, a sala, no entanto, estava de fato distorcida.

The Siesta musee d orsay

A Siesta – Van Gogh

Este é um dos meus favoritos de Van Gogh. Eu amo as cores e a vibração calma desta pintura, também é considerada uma de suas obras-primas.

Van Gogh pintou esta peça enquanto estava internado em um manicômio. A ideia para esta pintura foi tirada de um desenho chamado Noonday Rest de Millet, um artista que Van Gogh costumava usar como inspiração, pois achava que Millet era muito “mais moderno que Manet”.

Comparando as duas peças, a composição é praticamente a mesma, no entanto, Van Gogh faz questão de enfatizar seu próprio estilo nela.

Retrato do Dr. Gachet – Van Gogh

Van Gogh nunca é suficiente, então vamos admirar outra obra-prima dele, esta é uma das peças mais reverenciadas de Vicent Van Gogh.

Dr. Gachet foi um médico homeopata famoso por tratar Van Gogh durante os últimos meses de sua vida. Dr. Gachet era ele próprio um pintor e um grande admirador do Impressionismo.

Van Gogh pintou duas versões deste retrato, ambas em junho de 1890, ambos os retratos mostravam o médico na mesma posição, o que oferece a ambas as pinturas as cores e o estilo utilizado. O exibido no Musée d’Orsay é a segunda versão.

The Rue Montorgueil in Paris musee d orsay

A Rua Montorgueil em Paris – Monet

Embora a maioria das pessoas acredite que esta pintura mostra a celebração de 14 de julho, o Dia da Bastilha, na verdade retrata uma celebração do 30 de junho de 1878, que foi declarado naquele mesmo ano como o “Dia da Paz e do Trabalho” pelo governo.

Este evento aconteceu devido à terceira Exposição Universal de Paris, que havia acabado de inaugurar algumas semanas antes.

Esta celebração do “Dia da Paz e do Trabalho” foi uma grande oportunidade para o governo fortalecer a posição do regime republicano durante o período turbulento que a França enfrentava.

Nesta pintura, que parece nos colocar no lugar de um espectador olhando de uma das janelas dos prédios altos, Monet nos mostra uma vista urbana de grande AMPLITUDE. Seus traços, uma famosa técnica de Monet, dão uma grande sensação de movimento às bandeiras. Olhando para esta pintura, é impossível não se sentir parte da multidão.

The Gleaners musee d orsay

Os Respigadores – Millet

Concluída em 1857 por Millet, esta pintura mostra três camponesas respigando (colhendo as sobras) em um campo de trigo após a colheita.

Essa era uma prática comum na época entre a classe desprivilegiada e as pessoas que a praticavam eram consideradas o nível mais baixo da sociedade rural.

Quando esta peça foi apresentada ao público, não foi bem aceita pela classe média e alta francesa, que recebeu a peça com críticas negativas e a considerou um tema polêmico.

Naquela época, a França tinha acabado de sair da Revolução Francesa de 1848, e esta peça foi vista como um lembrete de que a sociedade francesa foi construída sobre o trabalho da classe baixa.

Arrangement in Grey and Black No.1

Arranjo em Cinza e Preto No.1 – James McNeill Whistler

Também conhecido como Retrato da Mãe do Artista, o artista americano James McNeill Whistler pintou sua própria mãe, Anna McNeill Whistler, durante o tempo em que ela morava em Londres com o filho, daí o nome desta pintura.

Esta obra-prima é considerada um ícone da arte americana e, embora sua casa oficial seja o Musée d’Orsay, costuma fazer turnês pelo mundo.

Depois de terminar sua arte, Whistler apresentou sua pintura à Royal Academy of Art em Londres, que rejeitou completamente seu projeto. Esta foi a última arte que ele apresentou na Royal Academy of Art.

on the beach edouard manet

Na praia – Manet

A técnica de pincelada rápida nesta imagem é inconfundível, é uma pintura de Manet!

Manet nesta imagem convida-nos a juntar-nos a um casal num momento de lazer à beira-mar. A senhora com seu lindo vestido de algodão lê um livro enquanto o marido admira o mar. Pintada no verão de 1873, quando o artista passava três semanas com sua família, esta pintura dá uma espiada no cotidiano das pessoas de séculos atrás.

Com sua técnica de pincel, Manet dá fluidez à imagem, quase podemos ouvir as ondas quebrando na praia.

Sobre Isadora

Writting and sharing travel experiences

Leave a Reply

Your email address will not be published.